CONJUNÇÃO JÚPTER-SATURNO

Conjunção

Uma conjunção ocorre quando dois ou mais astros atingem coordenadas celestes muito próximas,

parecendo cruzar-se no céu. Os corpos celestes envolvidos numa conjunção podem ser: Sol, Lua,

planetas, estrelas e satélites artificiais. As conjunções são fenómenos relativamente frequentes e

podem mesmo ter uma periodicidade mensal, como é o caso da conjunção que se dá entre o Sol e

a Lua em cada Lua Nova, mas de uma maneira geral o período é um intervalo de tempo mais

alargado.


A astronomia tem uma definição precisa para conjunção de corpos celestes, que não se resume

ao “estar próximo” no céu, mas tem a ver com o sistema de coordenadas celestes adoptado. Por

exemplo, se o sistema de coordenadas adoptado for o Eclíptico, o plano de referência é o plano

da órbita da Terra ao redor do Sol. Assim, qualquer objecto celeste pode ser localizado pelas

coordenadas latitude eclíptica e longitude eclíptica, e por definição uma conjunção ocorre

quando dois ou mais corpos têm a mesma longitude eclíptica. Essa definição técnica é

interessante, pois evita uma definição vaga de conjunção, baseada em proximidade: afinal, se a

condição necessária for simplesmente a proximidade de dois corpos no céu, qual seria a distância

máxima para o evento ainda ser chamado de conjunção?


Uma conjunção muito importante é a Sol-Marte. Nessas ocasiões, que ocorrem a cada 26 meses,

o planeta vermelho fica praticamente atrás do Sol do ponto de vista da Terra. Nessa geometria

celeste, além de não podermos observar Marte no céu, as comunicações com as sondas em solo

marciano são reduzidas, ou até mesmo, interrompidas. A razão é que por conta do alinhamento,

as comunicações de rádio são perturbadas pelo Sol, e mensagens distorcidas devem ser evitadas

a todo custo, para preservar os equipamentos. Então nem sempre uma aglomeração de astros no

céu é de fato uma conjunção, vai depender da coordenada eclíptica.


Em 1986, Roger Sinnott, astrónomo e colaborador da Sky and Telescope, escreveu o artigo

Computing the Star of Betlehem, que relacionava a Estrela de Belém com uma conjunção entre

Júpiter e Vénus que ocorreu no ano 2 A.C. Na realidade, esta conjunção deve ter sido

espectacular, uma vez que o disco de Vénus chegou a ocultar parcialmente o de Júpiter e, durante

algum tempo, terá parecido que os dois astros se estavam a fundir num só. Tudo isto aconteceu

na constelação do Leão que, segundo algumas interpretações, estaria relacionada com o povo da

Judeia pela seguinte passagem do Génesis (49:9):


Judá é um leãozinho, da presa subiste, filho meu; encurva-se, e deita-se como um leão, e como

um leão velho; quem o despertará?

Figura 1: Conjunção entre Júpiter e Venus a 19 de Fevereiro de 1999. Cortesia: NIAC – Núcleo de Investigação em astronomia . cascais


Esta teoria levanta o problema de Jesus ter nascido depois do ano que tem sido adoptado para a

morte de Herodes, o ano 4 A.C.


Existem alguns estudos que pretendem dar a volta a este obstáculo, argumentando que houve

uma confusão na edição de 1544 do Antiguidades, de Flavius Josephus, o que terá levado os

investigadores a fazerem o cálculo errado para o ano da morte de Herodes. Segundo os autores

dos estudos, qualquer manuscrito de Josephus anterior a 1544 aponta para que Herodes tenha

morrido no ano 1 A.C.


Este ponto de vista é também defendido pelo teólogo Ernest L. Martin, no seu livro The Star that

Astonished the World, 1996. No entanto, Martin apresenta uma teoria mais complexa que

associa mais do que um fenómeno. A 11 de Setembro (dia que marca o início do ano hebraico)

de 3 A.C., Júpiter, o planeta rei, entrou em conjunção com a estrela Régulo (pequeno rei), a mais

brilhante da constelação do Leão. O Sol estava na constelação da Virgem. Temos, pois, dois reis

que se encontram quando a Virgem é protegida pelo Sol, uma conjugação de factores que

certamente não deixaria indiferentes os Magos do Oriente e que Martin considera ter sido o sinal

que os levou a partir. O 11 de Setembro foi, segundo ele, a data do nascimento de Jesus Cristo

(Mateus 2:1,2,3). Além do mais esta conjunção foi tripla, isto é, Júpiter entrou em movimento

retrógrado e depois prosseguiu o seu movimento natural, o que o levou a cruzar-se três vezes

com Régulo. Um dos pontos estacionários de Júpiter aconteceu a 25 de Dezembro do ano 2 A.C.

e teve a duração de uma semana, período que Martin sugere para a chegada dos magos a Belém.


Estes e outros relatos muito discutidos no campo da Astronomia e Astrologia tornam as

conjunções num assunto interessante, esperado e muito calculado no seio científico. Este artigo

apresenta factos sobre a conjunção Júpiter – Saturno, que de interesse começa pela curiosa data

da sua maior aproximação, 21 de Dezembro ( fim do Equinócio Vernal início do Solstício de

Verão, Lua em Quarto Crescente e dia de “Periélio” maior proximidade entre a Terra e o Sol).


21 de Dezembro de 2020

O final do ano reserva um fenómeno astronómico marcante para a noite do dia 21 de Dezembro,

quando os dois maiores planetas do Sistema Solar estarão muito próximos no céu, durante o

fenómeno da conjunção. Trata-se de um “presente de natal” antecipado para os amantes da

Astronomia. Os planetas Júpiter e Saturno estarão tão próximos que parecerão formar um

“planeta duplo”.


A conjunção Júpiter-Saturno (eclíptica) deste ano ocorrerá por voltas das 15h20min,

praticamente na mesma hora da máxima aproximação. Mas deixemos esse detalhe técnico para

os técnicos, afinal a beleza do fenómeno não se altera com essa informação. E não há motivos

para se preocupar com o horário, pois como veremos mais a frente, os planetas são muito lentos

e não fará muita diferença observar o evento algumas horas depois, ao anoitecer.


As conjunções Júpiter-Saturno são bem impressionantes, pois os planetas se destacam no céu

pelos seus brilhos intensos. Uma vez a cada 20 anos, os dois maiores planetas do Sistema Solar

parecem se encontrar no céu do ponto de vista do observador na Terra. Durante a próxima

conjunção (21 de Dezembro de 2020) Júpiter-Saturno, os planetas parecerão estar se tocando.


Mas não se iluda, a proximidade é um efeito de perspectiva, e será apenas aparente. Na verdade

eles estarão afastados entre si mais 700 milhões de quilómetros!


Mas qual o motivo do intervalo de 20 anos? Júpiter e Saturno são planetas bem distantes do Sol e,

portanto, se movem bem lentamente no céu: enquanto a Terra leva um ano para completar uma

volta ao redor do Sol, Júpiter precisa de cerca de 12 anos e Saturno cerca de 30 anos. Tais órbitas

longas fazem com que, do ponto de vista da Terra, encontros entre os dois só sejam possíveis a

cada 20 anos. É como se fosse uma corrida de Fórmula 1 e Júpiter, por estar mais próximo do

Sol e, portanto mais rápido, desse uma volta em Saturno a cada 20 anos.


Na maioria das conjunções a separação entre Júpiter e Saturno é de cerca de 1 grau, o que

corresponde a aproximadamente duas Luas Cheias lado a lado. Neste ano eles estarão separados

por apenas 6 minutos de arco, ou 1/10 do grau. Isso corresponde a apenas 1/5 do tamanho da Lua.

Será fácil acompanhar a bela dança do par de planetas até o seu ápice por ocasião da conjunção.


Basta olhar para a direcção do poente, logo após o pôr do Sol, nas próximas noites. Como os

planetas estarão próximos do horizonte, teremos cerca de uma hora para observar antes do

desaparecimento no horizonte, e lugares com montanhas ou prédios devem ser evitados. Na noite

do dia 16 de Dezembro, a Lua Crescente estará próxima aos dois, numa bela configuração.


A conjunção anterior entre Júpiter e Saturno ocorreu no ano 2000, mas foi um desastre para o

observador: além de os planetas estarem mais afastados entre si (cerca de 2,5 vezes o diâmetro

da Lua), a observação era quase impossível pois o Sol se encontrava nas proximidades.


A última conjunção Júpiter-Saturno com proximidade entre os planetas similar à de 2020,

ocorreu em 1623, alguns anos após as primeiras observações telescópicas de Galileu Galilei. No

entanto, mais uma vez o Sol estava próximo, impedindo a observação do fenómeno.


A mais espectacular conjunção dos planetas gigantes nos últimos 1.000 anos ocorreu em 1226,

quando os planetas estiveram 3 vezes mais próximos entre si do que no evento de 2020. Isso

ocorreu quase 400 anos antes do surgimento do telescópio.


Nas conjunções que ocorrerão em 2040 e 2060, as separações entre os planetas serão bem

maiores. Somente em 2080 teremos uma conjunção tão espectacular quanto a deste ano, com

uma separação similar entre os planetas. Ou seja, o evento do dia 21 de Dezembro de 2020 será

único para a maioria de nós.


Embora a máxima aproximação aparente entre os dois, ocorra no dia 21, a conjunção poderá ser

apreciada entre os dias 19 e 23 de Dezembro. Para observar esta linda conjunção, basta procurar

na direção de onde o Sol se põe, entre 19:00 e 20:15. O astro mais brilhante da região será o

planeta Júpiter. Saturno, menos brilhante, estará coladinho e acima (até o dia 20) ou abaixo (a

partir do dia 21).

Figura 2: Aproximação de Júpiter e Saturno.


A figura seguinte deste artigo retrata uma simulação feita da conjunção, em cima de imagens

reais tomadas no passado, mostrando como veremos esta conjunção a olho nu, no dia 21 de

Dezembro.

Figura 1 – Simulação, a partir de imagens reais, mostrando como ficará o aspecto da conjunção Júpiter-Saturno, no início da noite de 21 de Dezembro de 2020, Gabriel Rodrigues Hickel (2020).


A imagem à esquerda é real, de uma tomada feita da Lua, em fino crescente. A simulação da

direita foi efetuada em cima da imagem da esquerda e de outras duas imagens, de Júpiter e

Saturno, em condições simulares. A partir de três imagens, fez-se uma montagem que mostra o

aspecto “real” vista a olho nu, na segunda-feira, por volta das 19:00.


A segunda figura a seguir mostra uma simulação da conjunção, em cima de imagens reais

tomadas no passado, mostrando como ela será vista com um pequeno telescópio.

Figura 2 – Simulação, a partir de imagens reais de Júpiter e Saturno, tomadas ao telescópio; mostrando como ficará

o aspecto da conjunção Júpiter-Saturno, às 19:00 do dia 21 de Dezembro de 2020; Gabriel Rodrigues Hickel (2020).


Esta visão mostra um campo da ordem de 8 minutos de arco, com uma ampliação

em torno de 50 vezes. Dependendo das condições do céu, os satélites de ambos os

planetas também serão visíveis.


A terceira figura assinala os satélites dos dois planetas, bem como uma estrela intrusa, que

também estarão no campo.

Figura 3 – O mesmo que a Figura 2, mas com os astros identificados. O satélite Calisto, de Júpiter, não aparece na

imagem, estando mais para cima. Como a conjunção ocorrerá em baixa altura, o nível de detalhes observados

dependerá muito das condições do céu ; Gabriel Rodrigues Hickel (2020).




Sobre o Autor:

Lopes Adão Fula Muginga


Nasceu em Luanda (Sambizanga), licenciado em Engenharia Geográfica (UAN), é pesquisador e apaixonado por Astronomia desde o tempo da faculdade, ciência que procura dedicar tempo por paixão.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Endereço

Contactos

912251080 / 936676924

contacto@topogis-ao.com

 

São Paulo - Cónego Manuel das Neves

Prédio 466, 3 º Andar Apto - F

Luanda - Angola

Latitude: 8°49'0.09"S / Longitude:13°15'19.20"E 

Nossas redes sociais

  • entrar em contacto
  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Flickr Social Icon
  • Instagram Social Icon

Receba nossas novidades!

 

© TOPOGIS.Lda, 2008 - 2019